Os comentários a este blogue serão moderados pelo autor, reservando-se o mesmo a não reproduzir aqueles que pelo seu teor sejam considerados ofensivos ou contenham linguagem grosseira.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

A oportunidade de uma pergunta

TIVE PENA de não assistir à entrevista de José Sócrates na RTP, quanto mais não fosse para escutar a resposta do primeiro-ministro à pergunta sobre se o repto que em Maio e pelo menos por duas vezes, Pedro Santana Lopes lhe fez na Assembleia da República sobre a urgente necessidade do Governo (à semelhança do que os socialistas espanhóis fizeram) em lançar urgentemente um conjunto de medidas para combater a crise, teria alguma coisa a ver com o "pacote fiscal" que agora foi anunciado. Ou será que os jornalistas que conduziram a entrevista esqueceram-se de o questionar sobre tal?

5 comentários:

a mim já não me engana disse...

Mas como seria possível questionar o Senhor Primeiro-Ministro dessa forma? Que crime de lesa-majestade!Por amor de Deus! Então não é público e notório que Santana Lopes é nome/tema tabu para o Senhor Primeiro-Ministro?! Era vê-lo logo a franzir o sobrolho, a colocar aquele ar de "animal feroz" de que ele tanto se orgulha e a falar logo da "maledicência" que é alvo... Quem não o conheça que o compre!

José Gaspar disse...

Meu Caro Zé Paulo,
Antes de mais um grande e amigo abraço.
Depois, dizer-lhe que obviamente a sua questão é requintada ironia!
É evidente que o senhor "jornalista", obdiente,reverente e obrigado (como convém!) poderia lá perturbar a tranquilidade de Sexa!
Como o meu amigo sabe há cada vez menos "penas douradas" e mais, aflitivamente mais, "penas compradas"!!!
Abraço,
ZÉ Gaspar

luis cirilo disse...

A mim o que me espantou,se é que na RTP algo me espanta,é como durante uma hora não tiveram um minutinho para falar do desemprego.
Eu sei que Judite de Sousa e o Jose Alberto CArvalho não tem esse problema,mas há muito quem tenha.
Como se sabe !

PSL disse...

É assim Portugal. Não há sequência na análise o que impede as devidas avaliações.

teresa disse...

A entrevista não foi mais do que uma pré- campanha eleitoral.