Os comentários a este blogue serão moderados pelo autor, reservando-se o mesmo a não reproduzir aqueles que pelo seu teor sejam considerados ofensivos ou contenham linguagem grosseira.

domingo, 30 de setembro de 2012

A propósito de um adeus...

NO MOMENTO em que essa patusca criatura que dá pelo nome de  Fernando Seara anuncia que abandona a vida autárquica, não resisto a lembrar aqui o que escrevi a 2 de Julho do ano passado sobre essa figura, sob o título de "O príncipe consorte", mas sem antes deixar de lembrar (e sublinhar...) que ainda não foi desta que o marido da D. Judite se abalançou à capitaL... É que lá, as coisas piam mais fino - não é?
"Tal como futebol, na política existe também quem passe "ao lado de uma grande carreira". É o caso de Fernando Seara, eterno candidato a tudo o que é lugar, de ministro a secretário de Estado, de presidente da Câmara de Lisboa a líder do PSD (sim, sim, houve quem lhe metesse isso na cabeça...) e até de sucessor de Gilberto Madaíl ou de presidente do Benfica... Os anos vão passando e Seara não sai da cepa torta, ou seja, de presidente da Câmara de Sintra onde, quase três mandatos decorridos, já ganhou a alcunha do "tá bem, tá bem, vou tratar disso". Paralela e semanalmente vai exercendo a figura de compére num programa televisivo sobre futebol e onde, entre cúmplices piscares de olho e estranhos esgares aos seus parceiros, deixa uns imperceptíveis enigmas no ar que só o próprio aparentemente parece entender, o que lhe vai granjeando uma fama de "alegado inteligente"... Tirando o actual cargo que ocupa na autarquia de Sintra e que, por força da lei, vai ver-se obrigado a abandonar daqui a dois anos e pouco, esta personagem com contornos algo caricatos (para não dizer rídiculos...) e que certamente Eça retrataria sublimemente arrisca-se assim ficar na história apenas como príncipe-consorte, ou seja como "o marido da D.Judite". Sim, porque nos tempos que correm, ser a cara-metade de um rosto televisivo vale bem mais do que alguma vez ter sido secretário-geral de um CDS ao tempo de Adriano Moreira, professor auxiliar de uma ou duas universidades privadas, chefe de gabinete de um dos inúmeros ministros da Educação que temos tido ao longo das últimas décadas, discreto deputado ou mesmo uma dúzia de anos presidente da Câmara Municipal de Sintra, por acaso o concelho mais populoso do País...".

sábado, 29 de setembro de 2012

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

"Tropicália": Solnado, Carlos Cruz e o "trailer"



ESTREOU HÁ dias nos cinemas brasileiros "Tropicália", um documentário sobre o movimento cultural que marcou o Brasil no final da década de 60 e onde se afirmaram nomes como os dos compositores e cantores Caetano Veloso, Gal Costa, Rita Lee, Gilberto Gil ou do cineasta Glauber Rocha entre tantos outros. O filme, de Marcelo Machado, contém depoimentos actuais e muitas imagens de arquivo, entre as quais, uma presença de Caetano num "Zip Zip" (presumo) onde surge a ser entrevistado por Raul Solnado e Carlos Cruz. Imagens essas que fazem parte do próprio trailer do filme que actualmente está em exibição em mais de 50 salas de cinema do Brasil. 

domingo, 23 de setembro de 2012

Brasil: dois ou três olhares


É INEGÁVEL que nos últimos anos o Brasil viveu um boom a nível económico com evidentes e naturais reflexos a nível do consumo e de uma clara aquisição de poder de compra por parte de uma faixa que alguns estimam em 30 e outros - os mais "governistas" - em 40 milhões. Num país de quase 200 milhões de pessoas, estamos a falar de uma percentagem de 15 ou 20 por cento... É obra! E isso sente-se por esse Brasil fora, se calhar não tanto nas grandes cidades, mas no interior onde as motos substituíram as bicicletas, os carros as motos e onde o pequeno comércio cresce a olhos vistos - mas onde ainda subsistem grandes e significativas "bolsas de pobreza", quando não mesmo de miséria. 
Paralelamente, o endividamento das famílias brasileiras cresce assustadoramente, os juros bancários (apesar da pressão do governo de Dilma) atingem níveis assustadores e que, mais dia menos dia, estrangularão quem hoje recorre ao crédito sem parar.


*

O Brasil melhorou nos últimos anos? Muito, não há como negá-lo! Mas ainda falta muito mais - especialmente no interior, onde  as carências infra-estruturais são brutais e a famosa "bolsa família" muitas vezes não é mais que um incentivo para uma certa indolência. Vou mais longe: o brasileiro (e não é o das grandes metrópoles) está perigosamente a habituar-se a um perigoso e entorpecente "assistencialismo" (para o qual os governo Lula contribuíram de forma decisiva), onde o cidadão se julga devedor de tudo perante o Estado ou de quem possui o poder próximo, pouco ou nada fazendo para melhorar o seu nível de vida. 

*

Há quatro ou cinco dias, com óbvio garbo e vaidade, o governo de Dilma anunciou que mais de metade da população pertencia à "classe média" - mais concretamente 104 milhões, ou seja 53 por cento. Uma cifra extraordinária, isto se não olharmos para o rendimento mensal mínimo per capita que o IBGE (a entidade pública que gere os índice e estatísticas no Brasil) considera como referência: 290 reais, ou seja 110 euros - que é como quem diz 3,7 euros por dia... É preciso dizer mais alguma coisa?

sábado, 22 de setembro de 2012

D. Helena... by João Gonçalves


NO SEU blogue "Portugal dos pequeninos",  João Gonçalves descreve de forma notável uma aparição televisiva da inefável Helena Roseta, esse verdadeiro paradigma do lugar comum, sempre pronta a pôr-se em bicos de pés (ou no selim) para botar faladura: "A anónima Helena Roseta voltou a aparecer na arruaça - chamar vigília a uma arruaça é um tropismo curioso - que decorre em frente ao Palácio de Belém. Com um ridículo capacete bicicleteiro, Roseta falou pelo 'nós' da arruaça como se não pertencesse ininterruptamente ao regime desde 1974". E conclui João Gonçalves: "Bardamerda". Eu subscrevo!

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Os "profissionais do facebook"

HÁ POR aí uns "profissionais do facebook" que, nos intervalos de mostrarem a sua sanha - com palavras e imagens, muitas vezes descontextualizadas - contra o actual governo (a tal ponto que chegam a perder alguma razão que até podiam ter...), não deixam escapar a oportunidade para tecer loas e hossanas a José Sócrates, porventura esquecidos das muitas diabruras e malfeitorias que ele e a sua trupe foram fazendo ao longo de seis anos de governação. Hoje foi um desses dias, com o anúncio da abertura em Évora de duas fábricas da empresa de aviação brasileira Embraer e que, se tudo correr bem, poderão vir a gerar 600 empregos - uma negociação levada a cabo pelo antigo governo e que pelos vistos deu (e ainda bem!) frutos.  Mas o sectarismo e o radicalismo algo serôdios são de tal ordem que esses seguidores "xiitas" de Sócrates não conseguem "postar" a notícia sem "embrulhá-la" num contexto no mínimo, para não dizer outra coisa, ridículo. Um deles (desses "xiitas") e que até é uma pessoa estimável, escreveu hoje à tarde em maiúsculas carregadas de uma raiva desmesurada: "Agora digam mal do Sócrates. Um dia a História o julgará!". Coitados... Eles ainda não perceberam duas coisas: a primeira, que há quem, mesmo tendo sido opositor de Sócrates, consegue apontar e reconhecer virtudes aos seus executivos; e a outra, que o antigo primeiro-ministro, como qualquer outro que esteja no seu lugar, não fez mais que a sua obrigação... É que ele estava lá era para isso mesmo. Ou será que não?

Lula: o fim de um ciclo?

PARECE QUE a aura de "santo milagreiro" do ex-presidente Lula da Silva já conheceu melhores dias. As eleições municipais do próximo dia 7 de Outubro não auguram grande êxito para os candidatos que nas grandes cidades foram impostos por Lula, mesmo contra a vontade e estruturas locais do próprio PT ou, nalguns casos, onde o antecessor de Dilma contribuiu (ou "deu a benção"...) para a ruptura com o Partido Socialista Brasileiro do seu aliado e presidenciável Eduardo Campos, actual governador de Pernambuco - casos de Fortaleza, Recife e Belo Horizonte. As últimas sondagens mostram os candidatos do PT sem grande (ou qualquer) chance de vencer a eleição nessas cidades, bem como em S. Paulo (onde Fernando Haddad, que foi imposto por Lula em detrimento de Marta Suplicy, poderá nem mesmo ir à segunda volta) e Porto Alegre. 
O "banho" que o PT está na iminência de sofrer daqui a pouco mais de 15 dias poderá implicar que, entre as dez principais cidades brasileiras (S. Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, Manaus, Curitiba, Recife e Porto Alegre), o partido de Lula não ganhe qualquer eleição, até porque o chamado "Distrito Federal" (Brasília) não é palco de eleição municipal, mas apenas para governador - o que ocorrerá apenas daqui a dois anos.
Com um PSDB dividido e também não em muito bons lençóis, com um PMDB agarrado que "nem lapa" ao PT, com um DEM (direita) praticamente inexistente (ainda que tudo indique ir conquistar a prefeitura de Salvador) e um nóvel PSD que ainda ninguém percebeu que força realmente tem, avizinha-se o crescimento e fortalecimento do PSB de Eduardo Campos que, de pré-candidato a vice-presidente numa "chapa" formada com o PT em 2014, poderá vir a ser, já daqui a dois anos, rival numa eleição presidencial de Dilma Rousseff - isto para quem acredita, como eu, que Lula não será mais candidato ao palácio do Planalto.
Uma última nota: há quem defenda que este "ocaso" do PT nas principais brasileiras tem muito (ou só) a ver com o julgamento do chamado "mensalão". Pode ser... - ainda que ache que a repercussão das sessões do Supremo Tribunal Federal não é assim tão vasta. Inclino-me mais para a tese dos que defendem que o "ciclo Lula" (e a sua capacidade em "virar uma eleição") está a chegar ao fim - principalmente nas grandes metrópoles e junto do eleitorado mais esclarecido. E quem irá "lucrar" com esse ocaso é, nem mais nem menos, que a fria, pragmática e (eu arrisco...) algo maquiavélica Dilma a quem - ela sim - o julgamento está a servir como uma excelente oportunidade para "limpar" um partido que nunca foi dela, colocando as suas "peças" nos lugares-chaves e preparando calma e serenamente a sua recandidatura. Vamos ver...

À atenção de Seguro e... Portas


LEIO NO sempre actual e cada dia mais indispensável "Bloguitica" de Paulo Gorjão: "Houve eleições há um ano em Portugal, essa maioria está legitimada para governar, tem de se entender, sob pena de não atenderem aos interesses do país. O país precisa de estabilidade". O autor da frase? O socialista Luís Amado, ministro dos Negócios Estrangeiros de José Sócrates. 

Comparações

APESAR DE ser um assunto requentado (para não dizer "morto"...), não  resisto a transcrever o breve e oportuno desabafo de Joel Neto no Facebook acerca da recusa da D. Maria Teresa em receber um prémio literário das mãos do primeiro-ministro: "Coragem? Coragem é, como por exemplo faz Herberto, recusar liminarmente o prémio, incluindo o palmarés, as entrevistas e o cheque. Esmurrar o peito, que nem pensar em receber o prémio das mãos do primeiro ministro, esse demónio, esse estupor, mas depois pegar no dinheirinho e metê-lo ao bolso, não é coragem: é teatro. Mas, sim, admito que também seja "ser de esquerda". Hoje em dia, um homem já admite tudo". Difícil dizer (e lembrar...) melhor, n'é?

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Schiu...


ALGUÉM TEM de aconselhar António José Seguro que, quando não se tem muito (ou nada...) para dizer, o melhor é ficar calado - sob pena de alguém vir a terreiro pedir para explicar melhor o que se disse. Senão vejamos: "A nossa alternativa já não é apenas uma alternativa de Governo. É também uma alternativa de regeneração do regime democrático". O que é que o líder do PS quis dizer com a expressão "regeneração do regime democrático"? Ele mesmo saberá?

Campanha eleitoral no Brasil (XIII): o "sketch " de Chiarelli



MUITO SINCERAMENTE, nunca tinha ouvido falar de semelhante criatura. Chama-se Fernando Chiarelli e parece que é candidato a prefeito de Ribeirão Preto, nos arredores de S. Paulo. Se chegar vivo ao dia da eleição... É que o homem não poupa ninguém - dos adversários aos jornalistas, vai tudo a eito! São 8 minutos e meio de uma entrevista que podia ser facilmente um "sketch" de um (bom) programa de humor...

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Estão-se nas tintas...


LEIO NA edição digital do "Público" que "no final do primeiro semestre, os resultados operacionais negativos de 48 hospitais públicos baixaram em mais de 100 milhões de euros". Trocando por miúdos: o "buraco" nas contas da saúde baixou para 107,1 milhões. Um facto positivo a registar, mas que (estranhamente?) os profissionais do deita-abaixo que pululam por esses facebook's da vida nem mencionam. Não interessa, n'é? 

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Luiz Goes e Santiago Carrillo

CONHECI OS dois - Luiz Goes e Santiago Carrillo. Cada um, à sua maneira, grandes senhores. Goes, uma grande voz da canção de Coimbra, na esteira de Edmundo Bettencourt; Carrillo - goste-se ou não - un grande de España, tanto pela inteligência como soube integrar o Partido Comunista de Espanha numa sociedade ainda "marcada" por uma guerra civil que a dividiu profundamente, como também por ter sido, a par de Enrico Berlinguer, um dos "pais" do euro-comunismo, talvez o princípio dos novos ares que sacudiram, nos anos 90, a História. Um desabafo: é ao receber notícias destas, cada vez mais amiúde, que vamos percebendo que os anos passam...

(In)coerências...

MAIS UMA a "cavalgar" a onda... A D. Maria Teresa arranjou maneira de vender mais uns livritos, agora que já não tem idade para queimar soutiens. Agora prescindir do valor pecuniário do prémio, isso é que não. Era só que faltava, n'é?  

domingo, 16 de setembro de 2012

Portas: "sim, pois, mas também, é melhor assim que assado e está visto que também não há como..."

PARECE QUE a tão anunciada e desejada (para alguns) declaração do líder do CDS sobre a situação política e a sua posição - e do seu partido, é claro - resumiu-se a um "sim, pois, mas também, é melhor assim que assado e está visto que também não há como...". Paulo Portas já devia ter percebido que, como diz o outro, o "que ele sabe, já a nós esqueceu", ou seja que estes "números" que ele tanto gosta de alimentar e protagonizar, e que no passado - reconheça-se - lhe renderam alguns votitos, já foram chão que deu uvas... É que o dr. Portas é assim uma espécie de "mariavaicomtodas", sempre pronto a embarcar com quem lhe dê mais - foi assim com Marcelo, mas piscando o olho a  Guterres; com Durão e Santana, mas sempre pronto a trocar sms's com Sócrates; e ainda bem há pouco tempo, antes das últimas eleições, a ver como paravam as modas para decidir para que lado caía... O problema dele é que já o topam à légua e não é o facto de tentar passar no meio dos pingos da chuva que o livra de ser metido no mesmo saco que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças por parte de quem clama pelo fim deste governo. O nosso ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros pode estar em Vladivostok, em Berna, em Lima ou mesmo em Luanda, que a molha é grande... E desta vez não há sound byte que lhe valha. É que tudo tem um começo e (também) um fim...

Quando o protesto é alarve...

ATRAVÉS DO "Facebook" o meu antigo colega e excelente fotojornalista Fernando Ricardo "permitiu-me" a alguns milhares de quilómetros seguir quase a par e passo a manifestação que ontem, em Lisboa,  juntou alguns (muitos) milhares de portugueses que sairam à rua protestando contra as medidas de austeridade que, desde a assinatura do famigerado memorando com a "troika", estão a ser implementadas. E se é verdade que é perfeitamente compreensível a vontade, o querer e a necessidade das pessoas expressarem a sua indignação, também não é menos verdade que ontem assistimos a uma verdadeira prova de imbecilidade de uns quantos energúmenos que, na falta de argumentos, optaram por protestarem empunhando cartazes obscenos, insultuosos e que só mostram o estado a que chegou o nosso País. Uma coisa é criticar, protestar e manifestar a nossa indignação; a outra é recorrer ao insulto gratuito, boçal e grosseiro, mesmo que recorrendo a "pérolas" do mais fino recorte literário de autores como o desaparecido marido da inefável D. Pilar  ou pintando "bigodinhos à Hitler" nas fotos de Passos Coelho. Santa ignorância... Mas o que se há-de fazer? Este é o Portugal que temos - o dos Cristianos Ronaldos da vida e do boné ao contrário, dos realistic shows, o destes idiotas para quem protestar contra o governo é pintar umas alarvidades nuns cartazes e sair às ruas ao jeito daqueles que, nas Antas e Alvalade, empunham umas cartolinas pedindo umas camisolinhas ou implorando para os camera men que os filmem de modo que as mãezinhas os vejam lá em casa. E no fim acabam todos a beber umas "bijecas" ao balcão, a comerem tremoços e a arrotarem uns para cima dos outros. Ou não é assim?

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Tózé Seguro ou o recurso à linha...

ACABEI DE ler que António José Seguro recorreu a uma gasta e "velha" expressão publicitária (aquela da "linha que separa"...) para tentar produzir um sound byte. Das duas, uma: ou precisa de arranjar urgentemente quem lhe escreva os discursos, ou então o PS também já foi comprado pela D. Isabel dos Santos...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Duas ou três notas

SÓ UM masoquista poderá alguma vez mostrar simpatia pelas recentes medidas anunciadas pelo governo, isto a começar pelo próprio Pedro Passos Coelho. Independentemente de tudo, acho que existiu ali um grande problema de comunicação, tanto por culpa de quem protagonizou e anunciou as ditas medidas como por parte de quem tem a obrigação de "intermediar" junto da opinião púbica - e estou a falar, sim, da esmagadora maioria dos nossos jornalistas, céleres em quererem "fazer opinião", sem se preocuparem mínima e primeiramente em informar.
Só mais duas ou três notas: a primeira diz respeito à sanha que tomou conta de uma certa trupe socialista e que, esquecida do que os governos de José Sócrates por aí fizeram (a acabar na assinatura do célebre memorando com a troika, lembram-se?) destila ódio em tudo o que é "rede social" e tenta "cavalgar" a natural onda de contestação que ali se faz sentir ; a outra para o próprio PS, cuja direcção é incapaz de apresentar uma alternativa às medidas apresentadas por este governo; e uma última para achar no mínimo curioso como é que certa esquerda parece agora depositar tanta esperança naquele senhor que é Presidente da República... As voltas que o mundo dá, n'é?!

PS - Já me esquecia de Manuela Ferreira Leite e das suas declarações.  Só quem não a conheça minimamente e não  tenha memória (e basta recente...) é que pode dissociar as críticas da ex-ministra de Cavaco da péssima relação política que a senhora sempre manteve com Passos Coelho enquanto foi líder do PSD, a ponto de afastá-lo da lista de deputados. Pois é...

sábado, 8 de setembro de 2012

Para que conste...




ISTO ESTÁ cada dia mais complicado... Perante mais este "pacote" de medidas restritivas anunciadas ontem por Pedro Passos Coelho,  ninguém, mas absolutamente ninguém, pode fazer outra coisa senão lamentar o que por aí vem - a começar pelos pensionistas que vêem os seus (normalmente) escassos rendimentos "amputados" dos 13º e 14º meses. 
Do mesmo modo que ninguém, mas absolutamente ninguém, pode esquecer a "inestimável" contribuição que o anterior governo deu para a actual situação. Porque se Passos Coelho quer ser, mal ou bem - que é como quem diz, com maior ou menor talento e oportunidade - a "cara" da solução, é preciso não esquecer que José Sócrates foi, sem qualquer dúvida, a "cara" do problema.  Ou será que já ninguém se lembra?
Já agora e a propósito do anúncio de ontem à noite, outra coisa... - esta a propósito de quem tem mostrado  tanto espanto pelo facto de Passos Coelho ter escolhido os minutos que antecederam o jogo da selecção nacional no Luxemburgo para falar aos portugueses. Será que já ninguém se lembra da famosa declaração ao País de Sócrates em Maio de 2011 (aquela do "Luís, fico melhor assim?"...), feita no intervalo do Real Madrid-Barcelona, a contar para a Liga dos Campeões?

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Dilma: quem pode, pode!



NAS VÉSPERAS da festa nacional brasileira (faz amanhã 190 anos que D. Pedro lançou o famoso "grito do Ipiranga"), a presidente Dilma Rousseff utilizou a cadeia nacional para, no intervalo da telenovela "Avenida Brasil" (um estrondoso sucesso de audiências), anunciar um "pacote" de medidas. Só que nos tempos que correm, no Brasil e ao invés do que ocorre no nosso País, as medidas tem tudo menos de restritivas - diminuição do preço da electridade (16 por cento para o uso doméstico e 28% para a indústria), diminuição de impostos e redução de juros. Pois é... quem pode, pode!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Adriano Moreira


ACABEI DE assistir à entrevista de Adriano Moreira na RTP-1, por ocasião do seu 90º aniversário. O mínimo que posso dizer é que me soube a pouco...

RTP: o facto, a consequência, as perguntas e a moral da história...

O FACTO: após a anterior administração ter-se demitido, o governo resolveu, como é seu direito, nomear um novo conselho de administração para a RTP, escolhendo para presidi-lo a Alberto da Ponte
A CONSEQUÊNCIA: e eis que caiu "o carmo e a trindade"! Porquê? Será que o governo não possui o direito de nomear um novo conselho? Tem. Será que Alberto da Ponte não é um gestor de méritos mais do que reconhecidos? É
AS PERGUNTAS: será que os que contestam a nomeação de Alberto Ponte com o argumento imbecil e ridículo que o facto de estar há uns anos ligados à indústria cervejeira o transforma num "vendedor de grades de cerveja" (!) e o acusam de "não possuir perfil" para o cargo, alguma vez leram a biografia profissional de Guilherme Costa, hoje transformado - vá lá saber-se porque carga d'água... - em "herói" ainda não percebi bem de quê? Lá pelo dr. Costa ter, nos anos que antecederam a sua nomeação pelo governo de José Sócrates, servido em diversos cargos o sr. Belmiro de Azevedo, no "universo Sonae" fez dele, um "vendedor de chouriças" do Continente ou "repositor de produtos" do Modelo? Ou sua passagem pela presidência do ICEP, ao tempo dos governos de Guterres,  transformaram o dr. Costa em "caixeiro viajante"?
MORAL DA HISTÓRIA: para a próxima, se o governo quiser não levantar ondas, já sabe... nomeia o sr. Vasconcelos, o dr. Sampaio e o dr. Mega. Ah! e já agora, para compor o ramalhete, não se esqueçam do Bastos - é mais vinho, mas pronto, fica bem...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Vira o disco e toca o mesmo...

A TÁCTICA não é de hoje... Sempre que o seu líder é protagonista de notícias envolvendo-o em matérias menos "simpáticas", é certo e sabido que o CDS arranja maneira de "esticar a corda" relativamente ao parceiro de coligação, de forma a desviar as atenções e se for caso disso argumentar com a tese da "vitimização" Foi assim no "caso Moderna" e no "caso Portucale", com Paulo Portas titular da Defesa, respectivamente com Durão Barroso e Santana Lopes na chefia do governo, é assim no "caso dos submarinos"com Portas nos Negócios Estrangeiros e com Passos Coelho a liderar a coligação.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Campanha política no Brasil (XII): um "autotune" notável!



TEM POUCO mais de um minuto e é uma "peça" extraordinária. Os seus autores (a equipa liderada por Edu Freiah, antigo sócio de Duda Mendonça e que "comanda" a área de TV da campanha de Mário Kertész para a prefeitura de Salvador) chamam-lhe "discurso em autotune" e no fundo é uma variação em tom de rap sobre o discurso que Nestor Netto, candidato a vice de Kertész, fez na convenção há uns meses atrás. Netto, hoje com 31 anos, é um jovem negro, de origem humilde e cujo percurso de vida está bem patente no discurso que "virou" letra deste clip. Muito bom! Mesmo!

sábado, 1 de setembro de 2012

Ó "Tempo" volta para trás...

AINDA EM relação ao post anterior... Como é possível o "Expresso", só para alimentar a guerra do dr. Balsemão com a Ongoing e o seu afilhado, dê o destaque que dá ao facto de Agostinho Branquinho ter deixado as funções que desempenhava no grupo de Nuno Vasconcelos no Rio de Janeiro e regressado ao Porto - tratando Branquinho como se tratasse de alguém com um "peso" brutal na cena política-partidária nacional ?! Isto já para não falar da outrora divertida, influente e bem-informada secção "Gente" que hoje mais não é que um repositório de "recados" e "fretes" que de tão descarados (e até falsos como o referente a uma inexistente saída da mulher de José Dirceu dos quadros da Ongoing...), fazem recordar  o "Confidencial" do extinto semanário "Tempo" - lembram-se?

Quem não os conheça, que os compre...

A PAR da obsessiva  - e já a roçar as fronteiras do rídiculo - ofensiva contra Miguel Relvas (esta semana até noticiam um suposto pedido de expulsão do ministro-adjunto da Maçonaria...), o "Expresso" continua a dar uma cobertura verdadeiramente "notável" a Paulo Portas, dando-lhe honras de primeira página por tudo e por nada e noticiando sempre em "primeira mão" tudo o que lhe diga respeito e também promova a sua actividade enquanto titular das Necessidades. Só se esqueceram esta semana (pelo menos na edição tablet) foi de noticiar a decisão do juiz Carlos Alexandre em juntar aos autos do "processo dos submarinos" escutas telefónicas feitas a Portas... Pois é, quem não os conheça que os compre!

Campanha eleitoral no Brasil (XI): Coroatá


video

UMA PEQUENA cidade a quase 300 quilómetros da capital S. Luís e em pleno interior do estado do Maranhão - Coroatá. Uma cidade dividida ao meio, com apenas  dois candidatos e muito poucos indecisos. Uma campanha sem televisão e rádio, onde o "peso" da rua e saber mostrar a dinâmica de vitória é essencial. Aqui fica um clip concebido por Fábbio Frazão, com fotos de Nestor Bezerra e que tem como fundo este sambinha delicioso de "My Brother". Ah, é verdade... e esta candidata é "minha"!