Os comentários a este blogue serão moderados pelo autor, reservando-se o mesmo a não reproduzir aqueles que pelo seu teor sejam considerados ofensivos ou contenham linguagem grosseira.

sábado, 4 de janeiro de 2014

Crónica de uma condecoração anunciada...


VRRUM, VRRUM… o Audi R8 da vedette acelera em seco no início da inclinada rampa empedrada que liga a praça do Império ao pátio dos Bichos. Popinha no ar, óculos maiores que a cara, brinquinho na orelha, o homenageado lá vai fazendo subir o bólide lentamente entre os flashes dos inúmeros fotógrafos que, do circunspecto "Expresso" à espalhafatosa "Vip" do sô Jacques, se acotovelam para captar um momento mais íntimo do casalinho que  sorri e acena sorrridente.
- "Ó filha, tu lá na tua terra podes ser muito conhecida, mas nunca foste condecorada lá pelo Puto, Putin ou lá como se chama o gajo", soltou entre dentes, para o lado, o condutor mascando sonoramente a chewing gum que o ex-cunhado lhe tinha presurosamente dado ao sair de casa.
-"Oна занимает много? Разве что в этом месяце, контракт, у вас остается только 3 Хорреев. Как только Вы знаете, у вас есть, чтобы начать платить сверхурочные …"
- "É pá, não percebo patavina dessa língua de trapos, vê lá se começas a falar protuguês, senão vais de vela. Olha que candidatas boazonas não faltam, óbiste pá?!  Raio da mulher, ó caraças…"
De repente, um estrondo faz abanar o carro. Tinha sido um paralelepípedo mais saliente  da ladeira que batera na parte debaixo e parecia ter arrancado carter e tudo à volta: "Pôrra, que isto nem lá na Madeira!", exclamou o rapaz da pôpinha, travando de supetão o bólide.
Da van que seguia atrás, saltou lesta uma rechonchuda mas ágil personagem. Lesta que é como quem diz, porque tanto a D. Dolores como a Ronalda, lançaram uns quantos impropérios pelas pisadelas que foram alvo. Mas o homem pouco se importou. O que movia o cabo Andrade - ainda que em licença sem vencimento, mas sempre em serviço "pela Lei e pela Grei" - era "tomar conta da ocorrência", "avaliar os prejuízos" e "apurar as responsabilidades". Foi exactamente isso que ele disse ao Cris ("para mim é que se fosse um filho!", aproveitou para confessar a uma jovem jornalista da "Flash" que lhe estendia o microfone no meio da confusão) que, já fora do carro, mãos nas ancas, assistia desolado e irritado ao autêntico lençol de óleo que escoria pela rampa abaixo: "E agora Andrade? E agora? Quem é que paga esta merda?!", vociferava furioso rodeado de fotógrafos e de microfones de frenéticos repórteres. O cabo Andrade cofiava o bigode, alargava o nó da gravata, abria o botão de cima da camisa das riscas largueironas, limpava com um lenço sebento o suor que lhe escorria da face e com um ar inteligente, repetia sem parar: "Está aqui um lindo serviço, está aqui aqui um lindo serviço, sim senhora…".
Descendo a rampa e irrompendo a custo perante a horda de repórteres, uma pequena criatura aproximou-se da vedette. O ex-cunhado, que entretanto também descera da van e acorrera ao local do incidente, sempre cioso da preservação da intimidade do Cris deu-lhe um "chega para lá" que estatelou o pequenote ao comprido na rampa, despachando-o em dois tempos: "Ó miúdo, vai mas é pedir autógrafos à tua tia, não chateies!". Sentado no chão, compondo o fatinho e esbracejando, a criatura insistia: "Mas eu sou o Nunes, eu sou o Nunes, eu não quero autógrafos, sou o braço-direito do senhor presidente, vim buscá-lo para levá-lo para cima…". Mas ninguém o o ouvia, pior... o pobre Nunes era autenticamente esmagado pela multidão dos repórteres que pisando-o, se colocavam a postos para fotografar a vedeta que, deixando o cabo Andrade a tomar conta da ocorrência, subia, de mão dada com a namorada, mãe, filho (coberto com um capuz do Ku-Klux-Kan), irmã Ronalda, ex-cunhado e uns quantos figurantes familiares, a rampa que o levava à porta do palácio - um cliché, aliás já visto anos atrás por aquelas bandas...
À porta do palácio aguardava-o um esfuziante Alberto João que, de copo de poncha numa mão e bandeirinha da Madeira na outra, não hesitava, enquanto se lançava num abraço furioso ao seu conterrâneo, em lançar um olhar lascivo para a D. Dolores que, momentaneamente livre do cabo Andrade e mais parecendo a versão feminina do boneco Michelin manietada numa tigresse que lhe realçava os muitos "contornos", lhe correspondia corada.
Dentro do palácio, os funcionários da Presidência entreolhavam-se boquiabertos. Nem os mais velhos, que assitiram aos mais surrealistas episódios nos loucos anos quentes de 74 e 75, alguma vez tinham visto entrar uma trupe daquelas por ali dentro: à frente a mítica vedette, de fato lustroso e popinha estilo quilha de barco ao revés; ao seu lado um "avião" (parece que "Mig"...) com umas vestes de tão ousadas que certamente iriam deixar a D. Maria à beira da apoplexia; atrás um afogueado Alberto João fazendo uns "avanços" sobre uma D. Dolores que só repetia incessantemente "olhe o cabo Andrade, presidente, olhe o cabo Andrade que ainda aparece aí..."; a seguir a maninha trauteando em espanhol o hino nacional ("Contra los cañones, marchemos, marchemos…") e de mãozinha suada e gorda dada com o sobrinho que, ainda de capuz para não ser fotografado, não parava de dar piparotes em tudo o que era móvel e bibelot dos salões presidenciais; e mais atrás o ex-cunhado liderando o grupo constituído pelos tios, primos direitos e esquerdos.
Enfim, lá chegaram ao salão dos Embaixadores, onde Aníbal António e Maria, acompanhados de parte do seu séquito, já com o pobre Nunes incorporado (ainda que de braço ao peito e cabeça enfaixada) aguardavam do outro lado formais e erectos. O  momento era solene. O chefe de protocolo do Estado, às recuas e sem deixar de fazer sucessivas vénias ao Venerando Chefe de Estado, cruzava o recinto para conduzir o homenageado ao lugar que lhe competia na cerimónia e o secretário-geral da Presidência  da República preparava-se para, livro em punho, dar voz à decisão presidencial em distinguir a vedette com o grau de Grande-Oficial da Ordem de Infante D. Henrique pelos "serviços relevantes prestados a Portugal, no País e no estrangeiro, etc. e tal". Do outro lado, os fotógrafos tomavam os seus lugares; a criancinha começava a dar alguns sinais de impaciência e a envolver-se num surdo combate de beliscões e caneladas com a tia Ronalda que teimava em impedi-lo de tirar o capuz; atrás de uma coluna, Alberto João e Dolores já mutuamente surripiavam uns prazeres um ao outro; e o ex-cunhado piscava cúmplice o olho à vedette que resolvendo mostrar um grande intimidade com o seu anfitrião lançou de um lado do salão para o outro: "Ó Presidente, você continua com bom aspecto, hombre!".
Ainda Aníbal António mal tinha acabado de escutar o tratamento que o homenageado lhe dirigia alto e bom som, eis que vendo o longo cordão de fotógrafos que se estendia ao longo do salão, o "Mig" não resiste e... despindo as poucas vestes que cobriam a sua lingerie,  decide, em exclusivo mundial, apresentar as últimas novidades da Victoria Secret! Maria abre os olhos esbugalhado e desfalece nos braços do marido. Este, também tomado pela comoção, tomba nos braços do debilitado Nunes que sem encontrar onde se apoiar estatela-se, pela segunda vez em poucos minutos, desta feita com o casal presidencial em cima. Mas ninguém dá por ela, até mesmo o solícito assessor Vieira e os ajudantes de campo estavam mais interessados nas últimas novidades da casa de Ohio que propriamente nos achaques do casal da Travessa do Possolo. E o "Mig" lá continuava, da esquerda para a direita, da direita para a esquerda, parando, posando, relegando para segundo plano tudo e todos, seu "par" incluído… Mas este apesar de tudo tentava aproveitar o momento e chamar ainda algumas atenções sobre si, repetindo sem cessar às jornalistas que sofregamente lhe bebiam as palavras: "Vêem, vêem, eu não disse? Tem tudo o que eu procuro numa mulher, um corpo excepcional e beleza, não é preciso mais nada".
De repente, as portas do salão dos Embaixadores abriram-se de par em par com estrondo, assustando as dezenas de pessoas que o enchiam por completo. Era o cabo Andrade. Suado, cheio de óleo, já sem casaco, gravata por cima do ombro e com um ar decidido. Com voz tonitruante, daquela que até parece ter pêlos na garganta, deu dois valentes berros, que gerou o mais completo silêncio: "Quem é que manda nesta merda, pôrra?!". Assustado, ainda por debaixo de um casal presidencial ainda semi-inconscientes, o pobre Nunes (já farto de ser o bombo da festa) apontou timidamente para Aníbal António e quase sussurou: "Este…". Aí, o cabo Andrade empertigou-se, compôs a gravata, atravessou a sala e dirigindo-se a um assustado Aníbal e com voz firme, lançou: "Está detido!". Com voz de falsete e profundo acento algarvio, talvez fruto dos nervos, o mandatário ainda arriscou um tímido "porquê".  "Por danos no património privado! E acabou-se a conversa, senão ainda levas uma ensinadela". E agarrando-o pelo cachaço, quase que arrastando-o, levou-o pelo salão fora. Ao cruzar-se com o "enteado", piscou-lhe o olho e, baixinho, disse-lhe: "Vês Cris, o assunto está resolvido. Vai ser este gajo que te vai pagar o arranjo no Audi!".

7 comentários:

APAmigodePeniche disse...

Eusebio....jogadores da seleção nacional do euro 2044 mereceram distinção..porque Cristiano Ronaldo não merece ser distinguido ??? apenas por ser o Presidente Dr Cavaco Silva a propor ??? e se fosse o Jorge Sampaio ou o Mario Soares ja era aceitavel ??? ( Nota digo Dr Cavaco Silva e Mario Soares e Jorge Sampaio por oposicão ao que escreve)

zpf disse...

"Amigo de Peniche"… Não é isso que está em causa - ser o actual PR ou outro qualquer. O curioso, já que o traz para cima da mesa, é o facto desta condecoração ter sido anunciado em plena polémica acerca da mensagem de Ano Novo como que ao jeito de desviar atenções e irá ter lugar a 5 dias da tão badalada gala da FIFA. Ah e é verdade, nenhum futebolista recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Nem Eusébio…
Cumprimentos, ZPF

Karocha disse...

Brilhante, Zé Paulo.

Anónimo disse...

É difícil descrever melhor as personagens que compoem este ramalhete que representa tão bem o nosso universo. Parabéns!

lidiasantos almeida sousa disse...

Nem sei bem o que escrever. Só posso dizer que quase ia fazendo xi-xi de tanto rir. Mas você errou na profissão, o Araujo Pereira, o ultrapassado Hermann nunca escreveram um texto de humor tão bem arquitectado. Agora sou fã de um Jornalista da TVI que faz um programa delicioso chamado JARDIM DAS NOTICIAS, que tem como pano de fundo o triptico Jardim de Eden. Ninguém, liga nenhuma porque está escondido na TVI 24 no jornal da meia noite. Os bons são sempre escondidos para realçarem os medíocres como uma criatura que aparece em todo o lado e conhecida por Tininha. Que par o ZDP faria com o VMP. Se calhar já tem carreira no Humor escrito mas, ignorância minha, não sabia. Um, ano de 2014 com saúde para si e sua família, para conservar essa veia humoristica comparável ao meu em amado BOCAGE. Desculpe a falta de acentos, mas estou com um pouco de pressa e ainda hilariante por causa do seu post.

Adelino Ferreira disse...

"Ó meu senhor", se não é esta a sua profissão, porque espera? Até a barriga me doeu. Parabéns.

miguel vaz serra disse...

Amigo ZPF
Lembrei-me muito da saudosa Maria Lisboa ao ler a tua fabulosa crónica.Ela certamente falaria no contracto da Indira:"Ou falas português ou assino contracto com outra que se faça passar por minha namorada" escreveria.
É que ser Futebolista tem 3 requisitos e a Maria sabe-o bem.
Jogar Futebol, ser um ganda garanhão, e ter um filho pelo menos para atestar a virilidade.
No tempo da outra senhora era lixado ter os 3.(requisitos)
Nos dias de hoje compram-se bebés nos Estados Unidos em barrigas de aluguer(o dele não sei quanto custou mas deve ter sido um ovo de Fabergé)e contratam-se namoradas.
Como aquela encenação com a Paris Hilton saiu mal e ela disse que era demasiado gay para o seu gosto,lá foi a Indira que precisava de projecção internacional.
Nunca ninguêm tinha ouvido falar dela antes,nem em casa dela sabiam que era modelo,quanto mais.
Maria escreveria no caso do ex-cunhado "o condutor mascando sonoramente a chewing gum que o ex-cunhado lhe tinha "linguado" ao sair de casa".
Maria é assim.Tenho saudades dela.
Devias escrever mais coisas dessas,em livro.Ficarias surpreso de como se venderiam!!!
Um forte abraço e feliz 2014!!!
Já agora quem é esse Dr.Cavaco que falam tanto?????????????